​Mercados com projeção positiva

O setor supermercadista brasileiro tem enfrentado as oscilações da economia, como os recentes avanços e recuos da inflação, com desempenho positivo. O segmento espera atingir, no final de 2014, faturamento de R$ 313 bilhões e passar sua participação no Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro de 5,5% para 6%.

Com esta perspectiva, aconteceu, no início de maio, a Apas 2013 – 29ª edição do Congresso e Feira de Negócios em Supermercados, em são Paulo. A Associação Paulista de Supermercados (Apas), organizadora do evento, projetou a geração de R$ 5,5 bilhões em negócios .

Na abertura da feira, representantes do segmento apresentaram uma radiografia do setor. Eles afirmaram que estão apresentando ao governo federal estas metas de crescimento da participação do setor dentro de um projeto batizado Abras Maior, que contempla a desoneração da folha de pagamento e na aquisição de equipamentos. Eles ressaltaram que as recentes medidas adotadas para beneficiar a indústria são positivas e que elas precisam se estender ao varejo.

Para o presidente da Associação Brasileira de Supermercados (Abras), Fernando Yamada, as previsões de crescimento do faturamento e do aumento da participação do setor no PIB serão alcançadas mesmo que estes incentivos  não sejam concedidos. Segundo ele, "se estas medidas não forem aprovadas, o segmento continuará crescendo impulsionado pela alta do poder aquisitivo e atingirá o faturamento de R$ 288 bilhões no final de 2014, com 93 mil estabelecimentos, acima dos 83 mil estimados até dezembro deste ano."

Yamada terá um encontro, no dia 15, com técnicos do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) para discutir a implementação destas iniciativas e a desoneração da folha de pagamento. A proposta do segmento é reduzir de 20% para 15% a alíquota de contribuição patronal no caso do INSS. João Galassi, presidente da Apas, disse que a medida criará mais postos de trabalho. "Somos o único setor que não aderiu à desoneração via faturamento e nossa sugestão visou simplificar nossas reivindicações", afirmou Yamada.

Os supermercados paulistas alcançarão faturamento de R$ 80 bilhões neste ano, ante os R$ 72,9 bilhões obtidos em 2012 ou seja, 1,7% do PIB.

Fonte: Diário do Comércio